Pesquisar entre um período de datas:
 /  /   até   /  / 
Data no formato dd/mm/aaaa

Doença de boto revela poluição do mar
(26/02/2009)

admin



CLAUDIO ANGELO
editor de Ciência da Folha de S.Paulo

Quando começou a monitorar a população de botos marinhos de Paranaguá, norte do Paraná, em 2006, o biólogo Marcos de Oliveira Santos ficou intrigado: as fotografias que fazia para identificar os animais vira e mexe revelavam extensas feridas na pele. Em uma década fotografando esses golfinhos tímidos no estuário de Cananeia, sul de São Paulo, a apenas 60 km dali, Santos nunca havia visto nada parecido.

A partir de 2007, o pesquisador levou suas imagens para a veterinária holandesa Marie-Françoise Van Bressem, do Centro de Pesquisa de Cetáceos do Peru. Ela matou a charada: as lesões observadas por Santos eram um tipo de micose, provavelmente causado por poluição da água.

Os candidatos não podiam ser mais óbvios: primeiro, os botos de Paranaguá vivem na vizinhança do segundo maior porto do Brasil, que gera não só contaminação por óleo e outros materiais como também por água de lastro de navios, que pode trazer micróbios de longe.

Mas outro fator pode estar por trás da doença dos botos: a instalação de uma fazenda de camarão em Paranaguá em 2006.

A carcinicultura tem pipocado por diversas partes do litoral brasileiro, frequentemente em áreas habitadas por mamíferos marinhos. Se ela realmente estiver ligada à epidemia, isso é uma má notícia para botos e golfinhos de toda a costa, incluindo a paulista.

"No Lagamar [região de estuário de 507 quilômetros quadrados entre São Paulo e Paraná] fecha uma e abre outra", disse Santos à Folha, sobre as fazendas de camarão. "O Ibama diz que não há, mas a gente sabe que não tem fiscalização, não tem gente, não tem barco, não tem carro."

Ainda não se sabe a real extensão da epidemia, nem sua gravidade. Santos detectou lesões na pele de 17% dos botos (Sotalia guianensis) fotoidentificados em Paranaguá. A julgar pelo tamanho das feridas --algumas com até 25 centímetros de extensão, no dorso dos animais--, o agente causador da infecção, provavelmente um fungo, deveria estar circulando na população por meses.

"A gente não tem ideia do grau de contaminação e do estado de saúde dos bichos de lá", afirma o pesquisador da Unesp, hoje na Universidade do Vale do Rio dos Sinos, no Rio Grande do Sul. Van Bressem tem "colecionado" casos de doenças de pele entre cetáceos em toda a América do Sul, e seus estudos indicam que as micoses podem acelerar outros fatores que matam os animais.

Estudos anteriores da pesquisadora holandesa também sugerem a relação entre o surgimento de micoses entre golfinhos e poluição. Em pelo menos um caso, em Guayaquil, Equador, a presença de fazendas de camarão era a fonte de poluentes responsável.

"Sabe-se que a aquacultura, especialmente as criações de salmão e camarões, usa pesadamente antibióticos profiláticos que podem alterar a fauna normal da pele e criar um ambiente adequado para a invasão dos fungos", escrevem Van Bressem, Santos e colegas em um artigo descrevendo a epidemia em Paranaguá, recém-publicado no periódico "Marine Environmental Research".

A ausência de portos e de carcinicultura (por enquanto) no estuário de Cananeia, uma área protegida, explicaria a virtual ausência de doenças de pele entre os botos dali.

Bioindicador

O trabalho de Van Bressem, Santos e outros cientistas tem mostrado que os pequenos cetáceos, como os golfinhos e os botos, são indicadores eficazes da qualidade da água. E, como são predadores que ocupam o topo da cadeia alimentar, podem dar pistas sobre a saúde de todo o ecossistema.

O próprio Santos já mostrou o potencial de bioindicador dos botos de Cananeia, população que ele acompanha desde 1996. Em 2003, ele e colegas publicaram no periódico "The Science of Total Environment" resultados de biópsia mostrando que os animais estavam acumulando pequenas quantidades de DDT em sua camada de gordura. O DDT é um veneno da classe dos organoclorados, banido no Brasil nos anos 1980.

Sua aparição entre os botos de Cananeia sugere que fazendeiros do Vale do Ribeira continuam usando a substância.

O pesquisador paulista se diz preocupado com a possibilidade de a epidemia em Paranaguá se alastrar por Cananeia. "Assusta um pouco, porque não sabemos o quanto essas populações estão em contato." Até agora, somente um indivíduo de Cananeia foi visto em Paranaguá, mas a comunicação no estuário do Lagamar é grande e pode haver constante fluxo genético entre as populações. "É o que queremos descobrir."

Este é só mais um mistério da vida dos botos marinhos. Arredios e sem o carisma do golfinho-nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus), esses animais ainda são virtualmente desconhecidos pelos cientistas. Até 1993, não havia nenhum trabalho de fotoidentificação desses animais, e somente em 2005 uma análise de DNA revelou que eles são uma espécie separada do boto tucuxi da Amazônia. O boto de rio ficou com o nome Sotalia fluviatilis, que até então era aplicado ao boto marinho.

( http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u509060.shtml )

 

 

 

  As imagens foram cedidas por Miguel von Behr