Pesquisar entre um período de datas:
 /  /   até   /  / 
Data no formato dd/mm/aaaa

FOI LANÇADO, EM BRASÍLIA, DURANTE OS FESTEJOS DOS 20 ANOS DA CRIAÇÃO DO IBAMA O “GUIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE PEIXES ORNAMENTAIS BRASILEIROS, VOLUME I, ESPÉCIES MARINHAS”, DE AUTORIA DE CLÁUDIO L. S. SAMPAIO E MARA C. NOTTINGHAM.
(03/04/2009)

Por admin

 

 O livro será enviado para os gestores, centros de pesquisa, universidades e pesquisadores, mas tem como principal objetivo auxiliar os trabalhos de fiscalização; além da versão impressa, estará dentro em breve, disponível, no site do IBAMA em formato PDF.

 O Brasil é um país de megadiversidade, ou seja, possuidor de inúmeras espécies endêmicas; muitas delas com formas e cores encantadoras, bastante atrativas ao comércio ornamental. No ambiente marinho não é diferente, nossos peixes figuram entre os mais belos animais marinhos e se destacam não apenas pela sua graça, mas também pelo comportamento dócil e sua rusticidade. Os ambientes recifais e estuarinos brasileiros guardam verdadeiras jóias vivas, sendo essas espécies bastante valorizadas pelo crescente comércio aquarista.
Atualmente 136 espécies de peixes marinhos brasileiros são permitidas para captura e comércio com finalidade ornamental. A lista de espécies permitidas e suas normas para utilização foram definidas num trabalho conjunto, coordenado pelo IBAMA, com a participação de gestores públicos, pesquisadores e setor produtivo.
O Guia para Identificação de Peixes Ornamentais Brasileiros, Volume I, Espécies Marinhas, publicado pelo IBAMA, mais que um livro realçado pela beleza das imagens nele contidas e informações inéditas, foi elaborado com o objetivo fundamental de fornecer informações práticas e visuais sobre os peixes marinhos brasileiros permitidos ao comercio ornamental para que a fiscalização ambiental identifique as espécies em suas ações. Essa obra, ainda, servirá como referência para consulta pelo público em geral, mais especificamente aos aquaristas, pescadores, lojistas, empresários, pesquisadores e estudantes.

 

 

  As imagens foram cedidas por Miguel von Behr