Pesquisar entre um período de datas:
 /  /   até   /  / 
Data no formato dd/mm/aaaa

Pré-sal: Verba ambiental é incluída na última hora
(09/09/2009)

Marta Salomon

Lula decidiu nesta segunda-feira incluir ambiente como destinatário de fatia de recursos do fundo a ser criado com a renda do petróleo. Dinheiro poderá ser usado em projetos de energia renovável e na tecnologia de captura e armazenagem de carbono no fundo do mar

Marta Salomon escreve para a "Folha de SP":

 

Apesar dos estudos que apontam concentração três a quatro vezes maior de gás carbônico (CO2) no petróleo da camada pré-sal, o ambiente só ganhou espaço nas regras anunciadas ontem pelo governo em uma carona de última hora. O presidente Lula decidiu ontem de manhã incluir o ambiente como destinatário de fatia das verbas do fundo a ser criado com a renda da exploração.

 

O dinheiro do fundo, se aprovado pelo Congresso, poderá ser aplicado em projetos de energia renovável e até na tecnologia cara e ainda em fase experimental de captura e armazenamento de carbono no fundo do mar, conhecida pela sigla em inglês CCS.

 

Lula se antecipou a uma reação prevista pelo ministro Carlos Minc. Segundo ele, a proposta do governo seria alterada no Congresso. A senadora Marina Silva (PV-AC) já havia cobrado investimentos na área. "Não posso dizer que é um efeito Marina, mas haveria reação no Congresso", disse Minc.

 

Num sinal da reação, ativistas da ONG ambientalista Greenpeace roubaram por alguns minutos a cena na cerimônia de lançamento do marco regulatório do pré-sal em protesto contra o aumento das emissões de CO2 decorrente da exploração das reservas. Os seguranças recolheram a faixa entregue a Lula onde se lia: "Pré-sal e poluição, não dá para falar de um sem falar do outro".

 

Na reunião de ontem de manhã, Minc voltou a falar dos estudos que apontam concentração maior de CO2 no petróleo da camada pré-sal em relação aos poços já explorados.

 

Ainda durante a reunião, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse que a estatal já trabalha com a reinjeção nos poços de parte do CO2 extraído com o petróleo. Para Minc, isso não é suficiente. Regras detalhadas serão definidas na ocasião do licenciamento ambiental para a exploração comercial dos poços, prevista para começar em 2015.

 

As estimativas do Greenpeace assombram o negócio anunciado pelo governo. A ONG calcula que o pré-sal poderá ser responsável pela emissão de 1,3 bilhão de toneladas extras de CO2 na atmosfera, considerando não apenas o gás encontrado com o petróleo, mas o refino e a queima do combustível.

 

O custo da captura e armazenamento do CO2 do pré-sal pode alcançar centenas de bilhões de reais e anular o resultado do combate ao desmatamento da Amazônia, disse Ricardo Baitelo, coordenador da campanha de energias renováveis do Greenpeace.

 

"É muito fácil colocar um número no papel e partir para o tudo ou nada", reagiu Minc.

(Folha de SP, 1/9)

 

  As imagens foram cedidas por Miguel von Behr