Pesquisar entre um período de datas:
 /  /   até   /  / 
Data no formato dd/mm/aaaa

ANP confirma indícios de descoberta de óleo pela Exxon Mobil no pré-sal da Bacia de Santos
(22/01/2009)

Por admin

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) confirmou ter sido notificada na última semana pela Exxon Mobil sobre descoberta de óleo no bloco 22 da região do pré-sal, na Bacia de Santos.

As empresas são obrigadas a informar à ANP as descobertas de indícios de petróleo. A agência esclareceu que a notificação não especifica o tamanho da reserva e sua viabilidade comercial. “ Por enquanto, é apenas uma descoberta no bloco BM-S-22”, informou a Agência por meio de sua assessoria de imprensa.

O bloco BM-S-22 é operado pela Exxon Mobil, que detém 40% de participação e tem como sócios no projeto a empresa norte-americana Amerada Hess (40) e a Petrobras (20%). Esse é o único bloco na área que não tem como líder da operação a estatal brasileira.

O primeiro poço exploratório do bloco começou a ser perfurado pela Exxon em outubro do ano passado. Na mesma região, a Petrobras descobriu vários campos de óleo no pré-sal, com destaque para os de Tupi e Iara, cujas reservas estimadas somam cerca de 12 bilhões de barris.

De acordo com a notificação feita pela Exxon à ANP, haveria indícios de hidrocarbonetos (óleo) a uma profundidade de 2.223 metros abaixo da superfície do mar, no bloco BM-S-22.

Procurada pela reportagem, a Exxon se limitou a confirmar, através de sua controlada, Esso Exploração Santos Brasileira, que no dia 16 de janeiro enviou à ANP uma notificação de descoberta, confirmando a presença de hidrocarbonetos no poço Azulão-1 na Bacia de Santos (BM-S-22).

Em nota, a empresa assegurou que “a perfuração deste poço continuará em andamento até que a meta de profundidade seja alcançada. Mantemos nossos planos de continuar a perfuração de mais um poço em seguida. Os detalhes do programa de perfuração são confidenciais", informou.

Como sócia minoritária no projeto, a Petrobras não pôde fornecer maiores esclarecimentos a descoberta de óleo pela Exxon. (Fonte: Alana Gandra/ Agência Brasil)

 

  As imagens foram cedidas por Miguel von Behr